Presidente da Fieg parabeniza Orbis pelo trabalho voluntário com o Senai

 

Recebemos com alegria a mensagem de agradecimento do presidente da Fieg e do Conselho Regional do Senai e Sesi, Sandro Mabel, sobre nossa participação na Iniciativa + Manutenção de Respiradores. Nesta segunda-feira, a ação alcançou a marca de 100 ventiladores pulmonares recuperados em Goiás.

Orbis comemora marca de 100 ventiladores pulmonares recuperados na Iniciativa + Manutenção de Respiradores

No Estado, a ação é liderada pelo Senai Goiás

 

Ao lado do Senai Goiás, a Orbis Engenharia Clínica comemorou nesta segunda-feira (26/10), durante solenidade na Escola Senai Vila Canaã, em Goiânia, a marca de 100 ventiladores pulmonares recuperados e devolvidos a hospitais em nove municípios do Estado por meio da Iniciativa + Manutenção de Respiradores. Coordenada pelo Senai Nacional, a rede de apoio da iniciativa começou a operar no dia 30 de março, no início da pandemia, e já consertou gratuitamente mais de 2 mil ventiladores pulmonares, que foram devolvidos a instituições de saúde em 24 Estados e no Distrito Federal.

 

Ricardo Maranhão, diretor da Orbis e vice-presidente da Associação Brasileira de Engenharia Clínica (ABECLin), destacou a importância da união entre os diversos setores da sociedade para o enfretamento da pandemia. “A Orbis sempre esteve a disposição para ser voluntária para apoiar qualquer movimento que fosse em prol do paciente e da saúde no Estado”, disse. “Começamos o trabalho com rapidez. Disponibilizamos analisadores para que fosse feita a calibração nos equipamentos. Isso é para resgatar a força da engenharia clínica neste momento. Viemos para apoiar sem pensar em custo, mas no valor podemos dar a vida humana”, acrescentou.

 

Presidente da Fieg e do Conselho Regional do Senai e Sesi, Sandro Mabel, agradeceu ao apoio oferecido pela empresa. “Em nenhum momento pensou em custo e ajudou neste trabalho de calibração.”, ressaltou. “Esse momento é importante para comemorar a ação, disposição e atitude de todos os envolvidos. Nesse trabalho ajudamos os goianos a terem uma condição melhor em um momento difícil”, disse.

 

A estimativa é de que cada aparelho recuperado poderá atender até dez pessoas afetadas pelo novo coronavírus. Presente na solenidade, o secretário de Estado da Saúde de Goiás, Ismael Alexandrino, comemorou os resultados da iniciativa “Uma parceria muito exitosa, mostrando que para o enfretamento de questões complexas é a união entre a iniciativa pública, privada e o terceiro setor que faz a coisa acontecer e logra êxito de desafios muito grandes”, disse.

 

O trabalho conta com a atuação e o apoio de mais de 700 voluntários. Em Goiás, o Senai Canaã é um dos 45 pontos de unidades operacionais que estão recebendo esses respiradores para manutenção. Diretor da unidade, Claiton Cândido Vieira agradeceu o empenho da Orbis. “A parceria foi fundamental para fazer a calibração dos aparelhos e colocá-los disponíveis para os hospitais com segurança. Aparelhos que estavam parados, mas que neste momento da pandemia foram fundamentais”, afirmou.

Certificado Selo ONA também vai para as salas de engenharia das unidades de saúde sob a gestão da Orbis

A conquista do Selo de Qualificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA) pela Orbis Engenharia Clínica agora está ainda mais visível aos clientes. No decorrer desta semana, cerca de 40 salas de engenharias que ficam nas unidades hospitalares onde a Orbis presta serviços em sete estados e o Distrito Federal receberam o certificado que atesta a qualificação da empresa. Para as unidades de saúde, o documento se torna um mecanismo para demostrar aos pacientes o compromisso com a segurança de cada um.

 

A chancela é inédita em empresas de engenharia clínica no Brasil. “A notícia da nossa certificação pela ONA foi recebida nas nossas unidades com muita alegria e motivação. É o reconhecimento do nosso trabalho”, relata Pablo Patriota, supervisor de engenharia clínica da Orbis.

 

Responsável pela supervisão de cinco hospitais (Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime, em Pirenópolis, Hospital Municipal Dr. Ednaldo Barboza Machado, em Minaçu, Hospital Municipal Adailton do Amaral, em São Miguel do Araguaia, Policlínica Regional de Posse, em Posse, e Santa Casa de Misericórdia de Anápolis, em Anápolis), Pablo Patriota conta que, ao levar o certificado para as salas de engenharia, “os gestores ficaram felizes em saber que suas unidades possuem um serviço de excelência com certificação ONA”. “Nossos clientes estão vendo que a melhoria dos nossos processos reflete de forma muito positiva nos serviços que prestamos.”, diz.

 

Ricardo Maranhão, diretor da Orbis, lembra que alcançar a qualificação concedida pela ONA serve como um mecanismo de melhoria da empresa. “Nosso trabalho reflete na vida de milhares de pessoas que são atendidas diariamente nas unidades hospitalares que prestamos serviços. Quando levamos os certificados aos nossos clientes, estamos reforçando nosso compromisso diário em sempre oferecer o melhor serviço possível”, afirma.

A engenharia clínica atua para oferecer segurança ao paciente

Manter os equipamentos hospitalares em pleno funcionamento proporciona à equipe médica e demais envolvidos nas rotinas hospitalares melhores condições no atendimento, além de ser essencial para a segurança do paciente. Para que isso aconteça, a engenharia clínica tem o papel fundamental de fazer com que o parque tecnológico dos estabelecimentos de saúde, como clínicas, laboratórios e hospitais, esteja em perfeito funcionamento.

 

A ABEClin (Associação Brasileira de Engenharia Clínica) estima que existam, entre técnicos e engenheiros, cerca de 4 mil profissionais na área de engenharia clínica no país. Embora, seja uma profissão relativamente recente, ela tem sido estratégica nas unidades de saúde. Do mais simples procedimento ao mais complexo tratamento, seja um exame de rotina ou uma cirurgia, o sucesso depende dos aparelhos hospitalares operando de forma adequada.

 

O engenheiro clínico não apenas realiza os serviços de manutenção preventiva, corretiva e calibração, mas efetua também todo o planejamento das atividades envolvendo os aparelhos hospitalares dentro das unidades de saúde, desde à compra ao descarte do equipamento, cumprindo todo o clico de vida da gestão de tecnologia em saúde.

 

Diante da crescente atuação do setor, a ONA lançou o Selo de Qualificação na área de engenharia clínica, o que passa a ser um importante parâmetro para o mercado. São cerca de 800 requisitos para conquistar o selo, que é concedido após uma análise criteriosa da organização.

 

Atualmente, a Orbis Engenharia Clínica é a primeira e única empresa da área a conquistar o selo no país, demonstrando seu compromisso com a gestão dos equipamentos e a segurança do paciente.

Única empresa de engenharia clínica no Brasil com selo ONA

A Orbis Engenharia Clínica acaba de receber o selo de qualificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA), que além de avaliar os critérios de segurança na operacionalização dos processos técnicos, demonstra eficiência da gestão e dos processos de apoio. O reconhecimento de empresas de engenharia clínica é inédito no Brasil. Com isso, a Orbis se torna a primeira e única empresa no país com a qualidade de serviço reconhecida pela organização.

Com foco na melhoria contínua dos processos, a empresa passou por uma rigorosa avaliação do Instituto Brasileiro para Excelência em Saúde (IBES), Instituição Acreditadora Credenciada, representada por uma equipe de avaliadores habilitada pela ONA. Eles buscaram evidências de conformidade com os padrões estabelecidos para as diversas áreas da empresa. “O engajamento da equipe com a acreditação foi um dos pontos fortes da empresa”, diz Tatiana Lourenço, avaliadora líder do IBES, sobre a Orbis. De acordo com o Superintendente Técnico da ONA, Dr. Péricles Cruz, a certificação é o reconhecimento de que a instituição atende aos rigorosos padrões que a metodologia exige. “No decorrer da avaliação todas as áreas da instituição são visitadas e mais de 800 requisitos são verificados antes da homologação da acreditação”, explica.

Todos os critérios estão no novo Manual de Certificação de Serviços para a Saúde da ONA, no qual a Orbis serviu como projeto piloto. O documento foi elaborado por um comitê formado por profissionais da área técnica da ONA, especialistas, instituições acreditadoras credenciadas e associações setoriais, dentre elas a Associação Brasileira de Engenharia Clínica (Abeclin).

“Todo o rigor na avaliação exige o compromisso no controle dos nossos processos. Para nós, da Orbis, essa conquista nos motiva a aprimorar cada vez mais nossas ações”, destaca Alessandra Maranhão, diretora administrativa da Orbis.

Alcançar a qualificação concedida pela ONA serve como um mecanismo para medir a qualidade dos serviços prestados pela empresa. O diretor executivo da Orbis, Ricardo Maranhão, considera que estar dentro de todos esses critérios demostra o nível de excelência da empresa. “Isso reflete na vida dos profissionais que trabalham e das pessoas que são atendidas nas unidades de saúde que prestamos serviços. Tanto a equipe médica, pacientes e nossos colaboradores têm, com o selo de qualificação, a certeza que nosso serviço é prestado com qualidade, resolubilidade e segurança”, diz.

Orbis Engenharia Clínica: cinco anos de conquistas e sonhos realizados

A Orbis Engenharia Clínica chega aos cinco anos de fundação mostrando sua solidez no mercado. Em 24 de agosto de 2015, Ricardo Maranhão, ao lado de Alessandra Maranhão, colocou em prática o sonho de tornar a gestão de equipamentos médicos acessível aos hospitais.

Formado em Engenharia Elétrica e mestre em Saúde Pública com ênfase em Gestão de Tecnologias em Saúde, Ricardo Maranhão investiu num modelo de administração global, com profissionais qualificados, comunicação eficiente, atendimento ágil e personalizado. “Nossa missão sempre foi realizar a gestão de tecnologia dos equipamentos de saúde para garantir a segurança do paciente, nós da Orbis Engenharia Clínica sempre prezamos pela eficácia e eficiência na prestação de serviços”, lembra Ricardo Maranhão, diretor da Orbis.

Alessandra Maranhão, diretora administrativa da empresa, ressalta que a Orbis é uma das mais novas empresas de engenharia clínica no país. “Apesar da pouca idade, já contamos com o título de uma das maiores do Brasil”, diz. Hoje, a empresa atua em sete estados (GO, TO, MT, MG, MA, PA, AP), além do Distrito Federal. “Somamos cerca de 80 clientes que confiam diariamente no método adotado pela empresa”, afirma Alessandra.

Um dos veteranos na empresa, o engenheiro Hugo Quirino conta que quando a empresa começava a dar os primeiros passar, ainda em 2015, contava apenas com dois clientes e três colaboradores. “Houve muitas mudanças desta época para hoje. A Orbis cresceu muito. São várias acreditações vitoriosas e, principalmente, clientes satisfeitos com os resultados gerados pela empresa” destaca.

O engenheiro, hoje, comemora sua evolução aliada ao crescimento da Orbis. “Comecei como auxiliar de engenharia, estava me formando em engenharia clínica. Na prática, fazia a gestão do parque tecnológico de nossos clientes. Nessa época se iniciava as primeiras auditorias de acreditações”, lembra. “Pessoalmente, meu crescimento profissional durante esse período foi gigantesco. Hoje tenho uma bagagem enorme no ramo da engenharia clínica graças ao projeto da empresa, tive a oportunidade de comandar equipes, apresentar artigo em evento internacional e participar de seminários e palestras. A Orbis é uma empresa de oportunidades, uma empresa que gosta de resultados. É um bom local para trabalhar, onde o colaborador desperta seu potencial frente aos desafios”, acrescenta.

Assim como os colaboradores, cada cliente e parceiro também é valorizado. “Seja em serviços relacionados a inventário, planejamento, gestão ou consultório, nós sempre estamos comprometidos em entregar os melhores resultados para nossos os clientes”, garante Ricardo Maranhão.

A Orbis Chega aos cinco anos de criação em um ano atípico, mas que mostra ainda mais a importância dos serviços de engenharia clínica. Desde o início da pandemia, os serviços na área tiveram aumento. Essa crescente se justifica por ser um serviço essencial não só durante a pandemia, mas em tudo que está relacionado aos procedimentos da área.

O momento também deixa claro o papel social da empresa junta a sociedade. A Orbis Engenharia Clínica se tornou voluntária no projeto Iniciativa + Ventiladores Pulmonares do Senai, que conta também com o apoio da Associação Brasileira de Engenharia Clínica ABECLin, Ministerios da Saúde e da Economia, Universidade Federal de Goiás (UFG), entre outras instituições. “Nesta ação, estamos recuperando ventiladores em desuso em todo o país para ajudar a salvar pacientes da covid-19”, explica Ricardo.

Nestes cinco anos, a Orbis também tem ajudado a mudar o cenário da engenharia clínica no Brasil. No começo deste ano, entraram em vigor as novas diretrizes do Manual de Certificação de Serviços para a Saúde – Selo de Qualificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA). A novidade no documento está na inserção de três novos serviços de apoio, entre eles a engenharia clínica. Ao inserir a engenharia clínica no Manual de Certificação, empresas como a Orbis poderão passar pelo processo de Acreditação da ONA.

A Orbis tem papel essencial neste processo pois em novembro de 2019 foi lançado o manual que serve como um guia para as organizações de saúde buscarem a certificação. Na época, a Orbis foi piloto na área de engenharia clínica para a construção do manual. A participação, rendeu à empresa um certificado constatando a contribuição para a revisão do manual.

A diretoria da Orbis ressalta que os valores da empresa – organização, resolubidade, brilhantismo, inovação e sabedoria – sempre são colocados em prática em suas ações. “Temos orgulho da nossa área de atuação e somos gratos aos nossos clientes, colaboradores e parceiras. São cinco anos de conquistas e muitos motivos para comemorar”, diz Ricardo Maranhão.

Investimos no futuro

O Orbis Opportunity, nosso programa de estágio, abre as portas do mercado de trabalho para quem ainda está na universidade. Aqui, os alunos participam diretamente da rotina das nossas equipes nas unidades hospitalares. Podem participar estudantes do quinto ao oitavo período dos cursos de engenharia compatíveis com a área de atuação da Orbis. O programa é realizado em Goiânia.

 

TV Anhanguera destaca a atuação voluntária da Orbis Engenharia Clínica na Iniciativa + Manutenção de Ventiladores Pulmonares do Senai

 

TV Anhanguera destaca a atuação voluntária da Orbis Engenharia Clínica na Iniciativa + Manutenção de Ventiladores Pulmonares do Senai para recuperação dos equipamentos em todo o país.

TV Anhanguera destaca atuação da Orbis na corrente do bem liderada pelo Senai, que tem ajudado a salvar inúmeras vidas de pessoas contaminadas pela COVID-19.

Testagem em colaboradores reforça medidas de combate à Covid-19

 

Iniciativa permite traçar ações mais assertivas contra o coronavírus

 

A Orbis Engenharia Clínica, por meio do Comitê de Monitoramento do Coronavírus, tem discutido frequentemente medidas para evitar a disseminação da covid-19. Uma das ações é a testagem entre os colaboradores da empresa. A iniciativa vai permitir que o Comitê tenha um panorama da atual situação da doença entre a equipe. Segundo a diretora administrativa da Orbis, Alessandra Maranhão, com esta ação será possível traçar medidas mais assertivas de combate ao novo coronavírus.

 

Considerado o padrão-ouro no diagnóstico da covid-19, o teste RT-PCR foi o escolhido pela Orbis para que fosse aplicado nos colaboradores. “Geralmente, estamos fazendo a testagem em grupos de oito pessoas. Escolhemos profissionais que estão em unidades com maior índice de pacientes da Covid-19”, explica a diretora da empresa.

 

Nesta primeira etapa, estão sendo testados cerca de 32 colaboradores. A responsável pela testagem na Orbis é a Edlaine Montalvao, da INAC Medicina Laboratorial. Ela destaca algumas medidas importantes que estão sendo adotadas no momento da testagem. “Os cuidados pré-analíticos para a coleta consistem em uso de máscaras N95, touca, avental, face shield e luvas. A coleta é realizada mediante o preenchimento de um questionário onde captamos os dados pessoais e sintomas que apresentou ou não nos últimos dias”, explica. “Ao realizar a cobertura por meio do teste PCR, a empresa consegue mapear possíveis focos da covid-19 e consegue conter a propagação da doença no quadro de colaboradores antes mesmo da presença dos sintomas”, acrescenta Edlaine.

 

Tipos de teste:

 

RT-PCR – o termo vem do inglês reverse-transcriptase polymerase chain reaction e é considerado o padrão-ouro no diagnóstico da covid-19, cuja confirmação é obtida por meio da detecção do RNA do SARS-CoV-2 na amostra analisada, preferencialmente obtida de raspado de nasofaringe.

 

Sorologia – diferentemente da RT-PCR, verifica a resposta imunológica do corpo em relação ao vírus. Isso é feito a partir da detecção de anticorpos IgA, IgM e IgG em pessoas que foram ao SARS-CoV-2. Nesse caso, o exame é realizado a partir da amostra de sangue do paciente expostas.

 

Testes rápidos – a vantagem desses testes seria a obtenção de resultados rápidos para a decisão da conduta. Porém, a maioria dos testes rápidos possuem sensibilidade e especificidade reduzidas em comparação as outras metodologias. O Ministério da Saúde aponta que os testes rápidos apresentam uma taxa de erro de 75% para resultados negativos.

 

Medidas adotadas pela Orbis:

  • Orientações constantes sobre o uso de EPIs;
  • Face shield para reforço na proteção dos profissionais;
  • Apoio psicológico para a equipe;
  • Testagem dos colaboradores;
  • Orientações sobre o afastamento de profissionais;
  • Trabalho em home office;
  • Medição de temperatura para entrada nas dependências da empresa.

 

“Desde o início da pandemia, tomamos algumas iniciativas para evitar a proliferação do vírus. Este é um momento em que o foco deve estar na saúde das pessoas e no controle da covid-19. A conduta de cada um pode ajudar no combate desse vírus”, destacou Alessandra Maranhão.